TRAGÉDIA: Jovem morre eletrocutado em festival na Zona Oeste do Rio

0
613

João Vinícius Ferreira Simões, de 25 anos, morreu na madrugada deste domingo, após ser eletrocutado em um festival na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. No momento do incidente, a vítima estaria molhada devido à chuva e teria encostado num food truck energizado. O caso aconteceu durante um dos shows do festival I Wanna Be Tour, no Riocentro. O caso foi registrado na 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) e, posteriormente, repassado para a 32ª DP (Taquara), que seguirá com as investigações. O enterro de João Vinícius será na tarde de segunda-feira, no Cemitério Municipal de Maricá.

Natural de Maricá, na Região Metropolitana, o estudante de Educação Física, João Vinícius veio ao Rio apenas para curtir o festival. A mãe, Roberta Isaac Ferreira, conta que o jovem estava empolgado e tinha se planejado para o dia de shows. João foi de carona com a mãe até Niterói na manhã de ontem, onde pegou um ônibus fretado que o levaria até o local do evento. Ele chegou por volta das 9h.

— Meu coração está destruído, porque eu levei ele para o evento. Ele foi sozinho, mas entrei em contato com ele o dia inteiro. Falei com ele quando chegou, falei com ele às 16h, depois às 21h: “João, já acabou?”. Ele disse: “Não, ainda não”. Às 23h, ele não me atendeu mais, não me atendeu — afirmou a mãe Roberta Isaac Ferreira no início da tarde deste domingo, quando foi ao Instituto Médico-Legal (IML) para a liberação do corpo do filho.

— Depois, liguei para ele de outro telefone, atenderam do Lourenço Jorge, falando que meu filho tinha sofrido um acidente e que eu precisava ir para lá. Quando cheguei, os médicos me chamaram e disseram que ele sofreu uma descarga elétrica e que tinha sofrido uma parada cardíaca. Eles conseguiram reanimá-lo, mas depois não conseguiram mais — lamenta a mãe:

— Nem nos meus piores sonhos imaginei que isso fosse acontecer comigo. Porque ele saiu só para se divertir, e eu sempre preocupada, eu ia buscar ele. Ele só foi para um show, que ele pagou para estar lá dentro.

A informação da morte de João Vinicius foi antecipada pela Rádio CBN. Segundo a Polícia Militar, agentes do 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes) foram acionados para a ocorrência. No local, foi constatado o fato. João Vinícius chegou a ser socorrido para o Hospital municipal Lourenço Jorge, também na Barra, mas não resistiu.

‘Não preservaram o local’

De acordo com Roberta, a organização não preservou o local para que uma perícia fosse feita. A mãe de João Vinícius conta que esteve no Riocentro nesta manhã e que o evento já estava sendo desmontado:

— Não preservaram o local onde meu filho faleceu. Não tinha nem mais o food truck, não sei nem onde ele estava (parado). Meu marido (que me acompanhou) tirou todas as fotos, tirou muitas fotos lá dentro, de fiação toda solta, gerador em local que não deveria estar.

Segundo a organização do evento, a empresa 30e, após a chuva, o público se dirigiu para a marquise coberta, seguindo os protocolos de segurança. Foi nesse momento que João Vinicius foi atingido pela descarga elétrica. Ainda de acordo com a empresa, o sistema de segurança foi acionado para atendimento e demais providências de socorro:

“Apesar do pronto atendimento e de todos os esforços realizados pelas equipes médicas no evento e no hospital, o jovem não resistiu. A 30e, produtora do evento, lamenta profundamente e está apurando o ocorrido junto às autoridades”, diz trecho da nota.

A 30e afirma ainda que, “até então, informações obtidas atestam para a conformidade da operação do food truck”. A produtora também alega já ter estabelecido um primeiro contato com a família do jovem para prestar solidariedade e dar toda assistência necessária.

Em nota, o Riocentro lamentou “profundamente o ocorrido” e informou “que o jovem foi imediatamente socorrido pela equipe de socorro contratada pela organizadora do evento e responsável pela infraestrutura, que o encaminhou ao hospital”. A administração do centro de convenções também afirmou estar “acompanhando o caso de perto junto à organização, para que a família receba toda assistência necessária”.

Outro caso em eventos

Em 2019, a estudante de Odontologia Maria Fernanda Ferreira de Lima, de 20 anos, morreu eletrocutada no Terreirão do Samba, na Praça Onze. Segundo amigos, ela levou um choque ao encostar numa barra de ferro em uma área de acesso restrito da produção de um festival de funk.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here