Polícia Civil de São Pedro da Aldeia prende homem foragido da justiça

Em uma ação coordenada, policiais da 125ª Delegacia de Polícia (125ª DP), da Agência de Inteligência da 25ª BPM (AIB/25ª BPM Ala D), da...
HomePolíticaJustiça afasta deputada Lucinha, suspeita de ser o braço político de uma...

Justiça afasta deputada Lucinha, suspeita de ser o braço político de uma das milícias mais poderosas e violentas do Rio

Na manhã desta segunda-feira (18), o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou o afastamento por tempo indeterminado da deputada estadual Lúcia Helena de Amaral Pinto, conhecida como Lucinha, do PSD. A medida ocorre no contexto da Operação Batismo, uma ação conjunta da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), que também realizou buscas em diversos locais ligados à parlamentar, informa o G1.

A investigação, que teve início em 2021 no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ), concentrou-se inicialmente no assassinato de um policial perpetrado por milicianos associados ao grupo criminoso denominado “Bonde do Zinho”. Este é comandado por Luis Antônio da Silva Braga, conhecido como Zinho, um dos líderes mais poderosos e violentos das milícias que atuam no Rio de Janeiro, especialmente nas regiões densamente povoadas de Campo Grande e Santa Cruz, na Zona Oeste da capital fluminense.

A força-tarefa revelou que Lucinha é apontada como o braço político da milícia liderada por Zinho, sendo inclusive chamada de “madrinha” pelos integrantes do grupo criminoso. O líder da milícia, Zinho, está atualmente foragido e enfrenta acusações de diversos crimes.

A decisão judicial autorizou busca e apreensão no gabinete da deputada, localizado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), bem como em vários endereços vinculados a ela. Fontes do MPRJ e da polícia informaram à TV Globo que quebras de sigilos telefônicos e telemáticos de suspeitos revelaram o envolvimento direto da deputada Lucinha e de uma de suas assessoras com a cúpula da milícia do Zinho.

Com o avanço das investigações, o Ministério Público compartilhou dados relevantes com a Polícia Federal, resultando na abertura de um inquérito para aprofundar as conexões criminosas praticadas pela milícia em questão.