ÓBITO | Morre o Papa emérito Bento XVI

0
1

O Papa emérito Bento XVI, que vivia praticamente em clausura desde que renunciou à liderança da Igreja Católica em 2013, morreu neste sábado aos 95 anos no convento onde vivia no Vaticano. Por décadas porta-voz do conservadorismo na Santa Sé, Bento tornou-se a primeira pessoa a abrir mão do Papado em quase seis séculos, admitindo não ter forças para lidar com os escândalos de corrupção e pedofilia em uma instituição cujos dogmas não raramente batem de frente com a modernidade.

Em 11 de fevereiro de 2013, Bento causou um terremoto na Igreja Católica quando disse que abandonaria o Pontificado após sete anos e meio por não se considerar mais apto para exercer o cargo. A inesperada renúncia e seu recolhimento ao mosteiro Mater Ecclesiae forçaram a comunidade religiosa a navegar por um mundo com dois Papas com estilos e visões diferentes sobre como a Igreja deve ser conduzida.

Sete anos e meio antes, quando a fumaça branca saiu da chaminé da Basílica de São Pedro para anunciá-lo como Papa, o cardeal alemão Joseph Aloisius Ratzinger parecia uma escolha óbvia: era o decano do Colégio de Cardeais e um dos colaboradores mais próximos de João Paulo II, a quem sucederia. Após o longo e marcante Papado do polonês, prevaleceu o nome do homem que por quase 25 anos foi chefe da Congregação para a Doutrina da Fé e liderava a ala conservadora do conclave.

Especialistas divergem se Ratzinger, entretanto, gostaria de vencer a eleição. O religioso alemão era mais afeito ao discurso acadêmico do que a pronunciamentos públicos — sisudez ressaltada pelo carisma de seu antecessor e a popularidade e as reformas promovidas por seu sucessor , o argentino Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco.

Nascido em Marktl am Inn, na Alemanha, em 16 de abril de 1927, Joseph Ratzinger teve uma trajetória similar à de outros jovens do país na sua época: integrou a Juventude Hitlerista e, depois, lutou na Segunda Guerra Mundial, mas desertou do Exército. Ordenou-se padre na década de 1950, e logo depois o doutorado em Teologia.

Foi um conselheiro teológico considerado liberal no Concílio Vaticano II (1962-1965), que efetuou reformas profundas nos rituais e nas pastorais católicas, mas assumiu uma linha cada vez mais conservadora nos anos seguintes, durante os protestos de 1968. Nomeado cardeal de Munique em 1977, assumiu apenas quatro anos depois o comando do escritório de doutrina da Santa Sé, já sob o comando de João Paulo II, em que lutou contra o que chamou, em homilias, de “doutrinas” movidas por “correntes ideológicas”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here